Numa fotografia não sei se me aguentaria, a imobilidade assuta-me. Ia acabar por a rasgar. Só que em certos dias vivo neste filme. A montra do que quero muda a cada dia, viciada em obrigar cada momento e cada coisa mínima a ter a sua beleza, por vezes troco a luta pela ilusão e sinto-me feliz a espalhar migalhas de croissant à porta do que amo, sento-me à esquina do que me aguarda e recuso-me sequer a estender a mão à realidade.

Deixe um comentário

Filed under Sem-categoria

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s