"De tantas tantas mão que nos passam pelas mãos e tão poucas que são as que nunca se esquecem"*

Vão-se acumulando rostos, nomes, momentos cada vez mais fugazes. A primeira vez de quase tudo já passou. Mas tão bom, tão bom saber que as mãos de que nunca me esqueço me enchem o coração mesmo à distância de meia dúzia de paìses, até através de continentes, a transbordar sorrisos de bocas que já se calaram. E, vendo bem, ao contá-las os dedos das minhas não chegam.

*título roubado ao David Mourão-Ferreira, excerto de um poema que ficou dentro da minha cabeça sem mais versos nem livro nem página nem referência completa

Deixe um comentário

Filed under Sem-categoria

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s